Pular para o conteúdo principal

Quem é você?


 Caro leitor, hoje quero falar sobre uma questão crucial na vida do cristão. Começo com uma pergunta comum: O que é identidade? (Conjunto de características que diferencia uma pessoa.)

Identidade é umas das questões mais fundamentais do ser humano. Quem sou eu? Para que existo? O mundo nos propõe várias respostas. Antigamente na sociedade, sua identidade dependia da sua classe social ou a qual família você pertencia. Para o Ateísmo, o homem é resultado do caos e o seu único propósito é sobreviver e reproduzir. O evangelho nos mostra quem somos de fato, a identidade permite que a pessoa seja reconhecida. Existem três demandas na vida de alguém: ser o que os outros desejam querem que sejamos, ser o que queremos ser e ser aquilo que Deus deseja que sejamos.


Nós podemos passar uma boa parte da nossa vida tentando ser o que os outros querem que a gente seja, o problema é que muitas vezes tentar ser o que os outros querem que a gente seja se torna uma grande prisão, queremos corresponder às expectativas dessas pessoas. Quando entramos nessa demanda vivemos desesperados por atenção, pensamos e agimos baseados nas expectativas que as pessoas têm sobre nós, somos pressionadas o tempo todo. Mudamos nossa fala, nosso andar, nossas roupas, nossos gostos, para correspondermos as expectativas e pressões de outras pessoas. Nos anulamos, esquecemos quem somos, esquecemos nossa história de vida para ser o que os querem que sejamos. E depois de nos frustrarmos e nos revoltarmos com isso, nos cansamos de tal forma que queremos dar o grito de liberdade: Agora eu vou ser o que eu quero ser!

Antes tentávamos satisfazer as expectativas dos outros, agora queremos satisfazer as nossas expectativas acerca de quem queremos ser. Trocamos um tirano por outro.
Ilustração: Uma jovem queria muito estudar letras, ela tentou, mas os pais resistiram e não teve outro jeito, ela fez direito. Depois de formada, ela pegou o diploma e falou: Papai e mamãe está aqui o diploma de vocês, agora eu vou fazer o que quero, e foi estudar letras.O interessante é que se alguém em algum momento entrou em crise existencial, é porque ela não está satisfeita com quem ela é. Se alguém deseja ser alguma coisa é porque ela chegou à conclusão de que não é nada. Não existe nada mais adâmico do que negarmos a realidade de quem somos, quando dizemos que queremos ser aquilo, ou parecidos com alguém, esse desejo que temos pressupõe que aquilo que somos não nos satisfaz mais.

O meu desejo nessa leitura é desafiar você a ser quem Deus quer que você seja. O que Deus quer que você seja? Essa é a pergunta mais importante da sua vida. Essa pergunta não está desvinculada da sua felicidade, porque felicidade não é ser o que os outros querem, nem ser o que você deseja, mas está na atitude de querer se tornar aquilo que Deus quer que você seja. Não devemos seguir o caminho que queremos, mas sim o caminho que foi preparado contra a nossa escolha.

"Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus,
 que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se;
 mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens.
 E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até a morte, e morte de cruz!
 Por isso Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome,
 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra,
e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai." (Filipenses 2.5-11)

Jesus é o exemplo daquele que se torna exatamente aquilo que Deus quer.
Os estudiosos dizem que esse trecho era uma canção cantada pela igreja na época e que Paulo achou necessário inserir em sua carta. Esse texto nos mostra o maior desafio que alguém pode encontrar na vida, no que diz respeito a identidade.


 No evangelho de João capitulo um nos diz que todas as coisas foram feitas por meio dele e sem Ele nada que foi feito se fez. Ele é o verbo divino, ele é mediador da criação e ele é Deus. Não há um momento na história em que Jesus não seja Deus, porém há um momento na história que Jesus é Deus e também é homem. Jesus realiza a vontade do Pai. É o momento em que Jesus se torna aquilo que Deus quer que Ele seja, durante essa passagem não tem como não perceber o que significou pra Jesus ser homem, devemos lembrar que Jesus não é o plano b de Deus, Ele é o plano. Para que ele realizasse a vontade do Pai, ele precisava se tornar homem.  É exatamente essa atitude de Jesus de ser o que Deus quer que ele seja, que é o exemplo que Paulo tem em mente para convocar a igreja a fazer o mesmo que Jesus fez. E não se trata de esvaziar de si mesmo, não somos Deus para que isso aconteça conosco. Ser o que Deus quer não é tão somente você ter a atitude de mudança, mas você tem que desejar isso, o seu coração deve arder por isso. E esse é o grande problema, esse desejo não nasce em nós, pois somos miseráveis.


"Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo." (Romanos 7.18)

Nunca seremos quem Deus deseja se não formos regenerados, se não experimentarmos a realidade da conversão. Somente um coração entregue a Deus nos possibilita a sermos e a desejarmos ser o que Deus quer que sejamos. Enquanto nós quisermos ser Deus, nunca vamos conseguir ser servos... O que Deus quer que sejamos é sermos servos, ele deseja que obedeçamos a sua palavra. Foi isso que Cristo fez, Ele é o nosso maior exemplo. Nossa identidade tem que estar nele.

 Quando não desejamos ser o que Ele quer, é porque não o consideramos mais como o Senhor das nossas vidas. Ser o que Deus quer que você seja sempre será uma luta com Deus, todas as vezes que você desejar ser o que Deus quer, você vai lutar com Deus e você vai vencer, todas as vezes que Ele vencer. Todas as vezes que você pegar um navio ao contrário e Ele mandar um peixe para te engolir, todas as vezes que você sonhar com Társis e ter a certeza de que em Társis você não chega. Termos identidade nele, não tem a ver somente com a nossa vontade e sim com a vontade Soberana Dele, é uma luta contra o nosso coração para que ele se converta. Viver a vontade de Deus é estar no jardim das aflições, é dolorido pois queremos ter as rédeas da nossa vida. O que resolve o nosso problema com a identidade é um coração convertido a Deus.
Ele vai tocar nossos pecados, nas áreas que resistimos, pois só assim o nosso coração será transformado e seremos o que Ele quer que sejamos: Servos!   

Com carinho, 
Bia Ferraz  

Fica a dica: Mais ( Os Arrais) 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Muita emoção, nenhuma conversão

A paz do Senhor meus queridos!
Como estão?
_______________________________________

Ao abrir meu painel do blogger hoje me deparei com uma atualização de um dos blogs que sigo, onde a notícia falava sobre uma apresentadora de um programa de televisão que chorou ao ouvir uma música de uma cantora evangélica, que enquanto a cantora fazia sua apresentação a moça ficou muito emocionada e a cantora também, enfim, vocês devem saber quem é.
Então decidi postar sobre isso hoje, falar um pouco sobre o emocionalismo extremo de muitos que se dizem cristãos, mas que após seus momentos maravilhosos na presença de Deus, simplesmente voltam à suas vidas normais. O que realmente deveria acontecer depois de uma emocionante noite de culto ou oração? Por que tantas pessoas choram, pulam, gritam, dançam, sapateiam ... Mas depois disso não há sequer um sinal de mudança na vida delas? Será que chorar ao ouvir lindos louvores significa algo? E se eu não chorar? Quer dizer que não estou sentindo a presença de…

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D