Pular para o conteúdo principal

Compartilhar Cristo

Ao compartilhar a Cristo é importante ganhar o direito de ser ouvido.
por Larissa Swearngin, como disse a Chris Lutes
 

Muitas pessoas não contam aos outros sobre Deus porque sentem medo ou nervosismo. Eu sei exatamente como se sentem! Testemunhar sempre foi uma coisa assustadora para mim. Mas cerca de um ano atrás, participei de uma conferência de evangelismo que me ajudou a ver o quão importante é contar aos outros sobre Jesus. Não que o compartilhamento de Cristo, de repente tornou-se fácil. Mas eu descobri algumas maneiras para compartilhar minha fé que o tornam um pouco mais fácil.
Aqui estão cinco delas:
  1. . Compartilhar com os meus amigos Não muito tempo atrás, meu pastor deu-nos este desafio: "Partilhar Cristo com alguém que você sabe que não é cristão." Na primeira, engoli em seco e pensei: Isso é um desafio parao qual eu não estou muito animada. Mas eu sabia que meu pensamento não estava certo. O que é melhor do que compartilhar com pessoas que conheço e que provavelmente vão ouvir o que tenho a dizer? Então, eu levei ao meu pastor de jovens o desafio que tive de compartilhar com meu amigo André. * Na verdade, foi mais fácil do que eu pensava. Eu conversei com ele sobre coisas que importavam para ele, e depois trouxe a minha fé na discussão. Eu só fui capaz de fazer isso porque eu o conhecia muito bem. Conversar com André me ajudou a ver o quão importante é levar Cristo às minhas amizades. Se eu realmente me importo com meus amigos, vou querer conversar com eles sobre coisas que são importantes para mim, como minha relação com Deus.
  2. Contar com um amigo. Não muito tempo atrás, minha amiga Rachel e eu decidimos sentar à mesa com algumas pessoas que eram novas na escola. Como chegamos a conhecê-las, começamos a trazer as coisas que estávamos fazendo no grupo de jovens. Algumas vezes, nós acabávamos convidando alguém para a igreja ou falávamos sobre porquê de nossa fé é importante para nós. Às vezes, Rachel fazia mais do que falava. Outras vezes, eu acabava fazendo mais do que falando. Em muitas conversas, a gente acaba ajudando-se mutuamente. Se eu não sabia exatamente o que dizer, ela pulava dentro. E houveram momentos em que eu poderia ajudar se ela estava tendo uma conversa difícil. Eu gosto de ter um "parceiro testemunha." Além de um ajudar o outro, também interceder em silêncio quando ele está falando. Nós também podemos considerar as pessoas responsáveis. Às vezes eu posso ter uma grande oportunidade de testemunhar, mas eu volto atrás porque eu estou sozinho. Com Rachel, sou desafiadas a partilhar quando parece certo fazer isso. Acabamos de dar um ao outro que empurrãozinho que cada um precisa.
  3. Recuar e deixar Deus trabalhar. Quando eu compartilhei Cristo com o meu amigo André, eu percebi que ele não estava pronto para se tornar um cristão. Em vez de tentar "forçar" ele para tomar uma decisão, eu simplesmente disse algo como: "Se você quiser conversar comigo sobre qualquer uma dessas coisas, estou sempre disposto a conversar. Mas cabe a você." Eu senti que eu tinha dito que eu precisava dizer e ele não precisa se sentir como se eu estivesse pressionando-o. Eu sabia que precisava me afastar e deixar que Deus trabalhasse no coração do meu amigo.
  4. Tratar as pessoas com respeito. No ano passado, Rachel e eu conhecemos uma garota que era uma Testemunha de Jeová. Nós passamos muito tempo ouvindo-a. Sentimos que se ouvimos o que ela tinha a dizer, podemos ganhar o direito de sermos ouvidas. É tão fácil fazer com que as pessoas se sintam que estão errados e acabar empurrando-os para longe do Deus verdadeiro. Eu não estou aqui para ganhar um argumento, eu estou aqui para trazer pessoas a Cristo. Eu acho que é possível trazer as pessoas um pouco mais perto de Cristo quando eu mostro respeito ao escutar verdadeiramente quando falam.  
  5. Eu tento ver as pessoas como Deus as vê. Eu tenho que ter cuidado para não julgar as pessoas pela aparência ou pelo que dizem. É tão tentador pensar, essa pessoa não está interessada em saber sobre Jesus. Mas se eu continuasse com esse tipo de pensamento, eu não acho que Rachel e eu teriamos falado com aquelas pessoas novas no refeitório. Eu também teria falhado compartilhar Cristo com algumas pessoas muito legais e interessantes.

Adaptado de: Christianity Today

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…