Pular para o conteúdo principal

Eu e minha religião sufocante

Estava aqui pensando sobre tantas preocupações que nós temos, porque nós, "cristãos", temos muitas preocupações!
Me preocupo, por exemplo, com a roupa que vou usar no culto. Hoje em dia nossos cultos estão se tornando desfiles de moda então eu preciso ser a Miss Gospel! Meus sapatos, cabelo, roupas, maquiagem tem que estar perfeitos e todos precisam ver que estou divando! u.u
Me preocupo com o celular que comprei há 3 meses mas já não é tããão legal, nada mais justo do que trocar por um daqueles no melhor estilo Transformers.
Me preocupo com a imagem que os outros vão ter de mim. Imagina só se descobrirem que eu também peco!
Que eu às vezes aumento as histórias, julgo as pessoas, tenho preconceitos e pré conceitos, e que me sinto mais espiritual que muita gente por aí.

Muitas preocupações que parecem (apenas parecem!) supérfluas e enquanto elas tomam meus pensamentos, eu vou me esquecendo de me preocupar com aquela pessoa nova na minha sala de aula/trabalho ou igreja que chegou e ainda não se encontrou, que talvez precise de um ombro amigo, de amizades novas ou ajuda. Vou me esquecendo das minhas reais responsabilidades com minha igreja, não falo de trabalhos, falo de unidade, de ser parte do corpo de Cristo, e das minhas responsabilidades pessoais também.


Ser politicamente correto têm dirigido a vida de muitos cristãos e assim, imersos no egocentrismo e no desejo de uma imagem perfeita vamos rejeitando o que é mais essencial, desviamos o olhar da cruz que é o motivo de ainda estarmos vivos, da graça que nos sustenta todos os dias. Quando olhamos pra nós e não para Cristo, somos levados a seguir o que imaginamos ser a nossa própria verdade, e o mundo começa a girar ao redor de nós, dos  nossos desejos, ignorando as necessidades dos outros e o chamado de Deus para nós. Estamos sendo sufocados por nós mesmos, por nossa religião do "Eu", do consumo, do "Eu declaro e determino!".

Quando é que Deus deixou de ser Senhor e passou a ser servo, tendo que suprir as necessidades que achamos que temos? "Deus! Eu preciso disso, eu quero aquilo, eu, eu, eu"

Meu objetivo aqui não é fazer nós nos sentirmos um monte de lixo, mas nos ajudar a enxergar que a vida vai mais além do superficial, vai mais além de nós mesmos. Enxergar que há um Deus criador de tudo, inclusive de nós, que está nos despertando para amar, somar, multiplicar e simplificar o amor. Deus é amor, então é incoerente dizermos amar a esse Deus e não sermos movidos por ele a mudar nossas atitudes, a olhar para o mundo dos outros também, a dividir responsabilidades e fardos e aumentar as alegrias.

A notícia boa, friends, é que há misericórdia e graça, há esperança pra nós, há perdão e liberdade. Liberdade essa que também diz não, que raciocina a fé e a vida. Há amor e o amor destrói a
religiosidade sufocante, o amor é a Vida que precisamos. E a vida é Cristo! (João 14,6)

Que Deus abençoe!
Mari

Comentários

  1. ;).. Deus te abençõe mari! É isso aí!

    ResponderExcluir
  2. Realmente... como dizem nada muda se eu não mudar!
    Adorei!
    As vezes nos preocupamos com coisas tão bobas e esquecemos do principal!
    Beijinhos e uma linda semana
    Nath

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vdd Nath! Precisamos mudar smp e pra melhor! haha
      Bjs sz

      Excluir

Postar um comentário

Olá!!
Sinta-se livre para expressar sua opinião sobre o que leu aqui, queremos mesmo saber o que você pensa!
Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
Deus te abençoe! ♥
DAC

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…