Pular para o conteúdo principal

Encobrindo pecados...

Estava tudo numa boa, quando de repente caí...
Vacilei, envergonhei meus princípios, me esqueci dos propósitos. Meu Deus! O que faço???...





























A culpa me incomoda, mas não posso me expor, o que dirão de mim? Meus líderes? Meus pais? Confiavam tanto! Esperavam tanto de mim! Não posso assumir que estou fraca, não posso dizer que está difícil. Eu, que sempre fui forte?! Não... isso seria um desapontamento total.
E Deus?! Ah, que vergonha! Não tenho nem ânimo para orar, Deus deve estar furioso, não consigo pensar em dizê-Lo o que se passa, e pra quê me explicar? Talvez meus motivos não sejam justos o suficiente para convencê-Lo (como se eu pudesse fazer isso!). Estou confusa, com medo, desesperada!
Mas e se eu deixar pra lá? Ou pelo menos tentar... talvez se eu me empenhar mais, quem sabe Deus se esqueça, quem sabe eu me esqueça. Talvez seja melhor encobrir esse pecado, só dessa vez.

Quantos de nós passamos por situações assim? Muitos, talvez todos. Em algum momento da vida deixamos a fraqueza nos vencer, então nós, que antes éramos tão ávidos em nossas igrejas e obras, nos encolhemos, nos sentimos como um nada. Por um pequeno descuido nos desviamos da rota e agora sofremos as consequências da acusação, acusação da nossa própria consciência, temos medo de falar, medo de confessar.
Então, como caminho mais curto, decidimos encobrir o pecado com obras mais caprichadas, com palavras mais bonitas, tentamos distrair o olhar de Deus, fazendo com que Ele se encante com nossa dedicação renovada, mas quando olhamos para dentro de nós, logo o pecado vem, joga em nós aquilo que fizemos e que só nós sabemos.

Porém, encobrir o pecado, não é apagá-lo. Vamos lembrar dos tempos de Moisés: quando os sacerdotes ofereciam os animais em holocausto como oferta pelos pecados dos homens, esses sacrifícios eram para encobrir os pecados e não para apagá-los, apenas após o grande sacríficio do Cordeiro Imaculado, Jesus, os pecados podem ser apagados totalmente, todas as vezes em que, com sinceridade no coração os confessamos.

Assim é quando encobrimos os pecados, tentamos afastá-los de nós, mas eles não são apagados, e isso nos afeta, ficamos barrados porque sabemos que estamos em falta com o Espírito Santo, nos sentimos cobrados. E quanto mais o tempo passa, mas isso se torna fardo em nossas costas, peso desnecessário. A Bíblia diz: "O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia." (Provérbios 28, 13). 

Por mais que o seu pecado seja grande, o amor de Deus é maior e capaz de apagá-lo, mas para isso você precisa confessar e deixá-lo para trás. Deus te dá uma nova oportunidade a cada dia, mas nenhum de nós vive para sempre, então não perca tempo de se consertar, voltar ao primeiro amor, porque é lá onde Deus te espera! Viva a liberdade que Deus tem para você! ^^

Deus abençoe sua vida!
Mariane Godoi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Só Deus sabe conjugar amor, afinal é o próprio verbo Amar!

Helloo Girls!
Que saudadinha de escrever. Eu pensei em vários assuntos pra postar, mas não iniciei nenhum e de repente, estava eu na casa da minhas primas. Nesse dia, estávamos assistindo vários filmes românticos (não estamos apaixonadas kkkkk),e um me chamou a atenção! Provavelmente você já assistiu, "Como se fosse a primeira vez". Chorei muito! E lembrei que eu já tinha feito uma aplicação da nossa vida com o filme "Porto seguro" (Meu primeiro textinho, confere lá...). Decidi fazer novamente. So, let's go!

O filme conta a história de Lucy (Drew Berrymore) e Henry (Adam Sandler). Henry é um veterinário marinho que tem uma fama de "garanhão", mas isso muda quando entra em uma lanchonete e encontra Lucy sentada brincando com a comida. A primeiro momento ele achou estranho, mas se aproximou dela e eles conversaram bastante. Decidiram se encontrar lá novamente. E assim aconteceu. Mas, quando Henry chegou pra conversar com ela, Lucy se afastou assustada.…

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D