Pular para o conteúdo principal

E crente tem cérebro?


Já passava das onze da noite quando entrei naquela pizzaria no centro da cidade. Como havia chegado cedo, a atendente pediu que eu aguardasse um pouco, pois minha pizza estava quase pronta. Enquanto esperava observei em uma mesa quatro jovens conversando. Duas moças e dois rapazes. Pelo que tudo indicava eram dois casais. O diálogo que ouvi foi mais ou menos assim:
– [...] dói demais, mas vale a pena se você se identifica! – disse uma das jovens.– Com certeza! Eu sempre quis fazer. Na verdade ainda vou fazer, mas hoje não tenho coragem. – concordou a outra moça.
– O Fer queria fazer uma tatuagem também, mas disse que veio um pastor na igreja dele e falou que na Bíblia tá escrito que não pode fazer tatuagem porque é marcar o corpo, Deus não gosta e blá, blá, blá… E agora ele pensa que é errado ter tatuagem! – disse um dos rapazes provavelmente se referindo a algum conhecido deles.
– Ah meu Deus! Pensa como? E crente lá tem cérebro?!


O outro rapaz que até então permanecia quieto, disparou em um tom de voz que chamou a atenção:
E então eu parei de acompanhar a conversa da mesa alheia. Fiquei com aquele “Pensa como? E crente lá tem cérebro?” martelando na mente. E comecei a pensar (sou crente, mas ainda costumo fazer este “exercício”) em uma enxurrada de coisas.
Pensei nos primórdios da Igreja, ainda em Cristo, com as boas respostas diante dos questionamentos e provocações dos religiosos da época. Pensei em Paulo de Tarso e todos os seus escritos que formaram a base da ética cristã ao longo de mais de dois mil anos de história.
Lembrei-me de John Stott que defendia com unhas e dentes que “crer é também pensar”. Doeu-me o coração ao lembrar dos milhares de professores que estudam e ensinam todas as nuances do evangelho em bancos de faculdades e institutos teológicos por todo o país.
No entanto, sorri de tristeza ao constatar que, infelizmente, em nossos dias existem movimentos voltados para a infantilização da juventude, que realmente ensinam um falso evangelho, baseado em experiências pessoais dos líderes e que colaboram para que o mundo veja os crentes como “tapados”. Sim, quase concordei com o rapaz ao lembrar que existem milhares de pessoas que acreditam em lobos travestidos de ovelhas que insistem em depositar sobre os fieis aquele velho peso de culpa e medo.
Por fim pensei que talvez falte a nós, crentes, exercitar o cérebro. Sair do mundinho igreja, religião e mercado gospel e passar a exercer uma espiritualidade no chão da vida, na expêriencia do toque, do serviço, da promoção da paz, que nada mais do é do que a manifestação visível do Reino de Deus na Terra. Falta-nos conhecimento, primeiro da Bíblia Sagrada, mas também do mundo das ciências, da filosofia, das ciências sociais e assim por diante. Precisamos questionar nossa fé de maneira racional. Foi Francis Schaeffer quem disse que “os cristãos deveriam ser os que menos se sentem ameaçados por novas idéias artísticas, pela experimentação, por correr riscos, de olhar e apreciar o que o outro lado tem a dizer. Se os nossos pés estão solidamente enraizados na verdade, podemos observar o mundo com confiança, prazer e realização”. Isso nada mais é do que mostrar que o crente tem cérebro sim, e contrariar a máxima que alguém disse certa vez, que “assim como a sopa de um restaurante ruim, o cérebro dos cristãos ficaria melhor se não fosse mexido”. É possível ser crente e pensar ao mesmo tempo! Na realidade, Jesus veio para tirar nosso pecado e não nossa inteligência!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D

Muita emoção, nenhuma conversão

A paz do Senhor meus queridos!
Como estão?
_______________________________________

Ao abrir meu painel do blogger hoje me deparei com uma atualização de um dos blogs que sigo, onde a notícia falava sobre uma apresentadora de um programa de televisão que chorou ao ouvir uma música de uma cantora evangélica, que enquanto a cantora fazia sua apresentação a moça ficou muito emocionada e a cantora também, enfim, vocês devem saber quem é.
Então decidi postar sobre isso hoje, falar um pouco sobre o emocionalismo extremo de muitos que se dizem cristãos, mas que após seus momentos maravilhosos na presença de Deus, simplesmente voltam à suas vidas normais. O que realmente deveria acontecer depois de uma emocionante noite de culto ou oração? Por que tantas pessoas choram, pulam, gritam, dançam, sapateiam ... Mas depois disso não há sequer um sinal de mudança na vida delas? Será que chorar ao ouvir lindos louvores significa algo? E se eu não chorar? Quer dizer que não estou sentindo a presença de…