Pular para o conteúdo principal

Um amor, uma renúncia, um Deus

Quando penso em amor me lembro de satisfação, alegria, sinceridade, uma explosão de sentimentos bons! Quando penso em renúncia me lembro de deixar, abandonar, esquecer. Quando penso em Deus, talvez consiga unir os dois. 

Um Deus que ama tanto que é capaz de renunciar

, não seus filhos, não seu plano, não sua criação, esquecer minhas falhas, meus pecados passados e futuros, abandonar minha podridão por amor. Não é um Deus com amnésia, e eu não sou sua manipuladora. É um Deus que fez algo dentro de mim, colocou um amor tão perfeito nesse corpo imperfeito que me leva a renunciar o que sou para ser o que Ele quer, é um Deus que fez o que eu nunca faria, é um amor que eu nunca teria. Loucura? Para muitos, sim. 

Mas o que muitos vêem como loucura é a total revelação do amor, porque amor não é ego, amor não é auto-satisfação, amor é sacrifício, deixar o que é mais importante para que o outro possa viver, possa conhecer esse louco amor e viver por ele. Só consigo entender o amor verdadeiro como total afeição por alguém que você seria capaz de se renunciar por ele, de se sacrificar por ele. Não é assim com a mãe que passa fome mas não deixa que seus filhos passem? Ou com o Deus que entrega seu próprio filho no gesto mais sublime de amor para morrer como um verme e assim trazer liberdade aos que estão cansados, aflitos e oprimidos?


Quando o amor passa a se resumir em auto-satisfação, em exigir do outro a responsabilidade de te fazer feliz, perde o sentido, deixa de ser amor (ou talvez nunca tenha sido). O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (1 Coríntios 13:4-7). O amor é isso, mas não pense que o amor é ignorante, cego, que deixa o erro passar despercebido, o amor é justo e é isso que o faz sincero. 


E esse amor nunca morre, ele triunfa. O amor sincero deixa marcas de ressurreição, marcas de vida nova. 


Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Romanos 8:32


Em amor,
Mari

Comentários

  1. Nossa, que texto lindo! To apaixonada rs <3. É verdade, hoje em dia a sociedade põe padrão até pro amor, de como se deve amar. Que tem que ser aquele amor carnal, ou aquele se interessando por algo de material em troca. Se esquecem que quando você diz que ama uma pessoa, é por que você morreria por ela.

    aquela-queune.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso msm Beca! O amor é sem interesses e isso é lindo, só pode vir de Deus msm! hehe
      Deus abençoe sua vida! *---* s2

      Excluir

Postar um comentário

Olá!!
Sinta-se livre para expressar sua opinião sobre o que leu aqui, queremos mesmo saber o que você pensa!
Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
Deus te abençoe! ♥
DAC

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Só Deus sabe conjugar amor, afinal é o próprio verbo Amar!

Helloo Girls!
Que saudadinha de escrever. Eu pensei em vários assuntos pra postar, mas não iniciei nenhum e de repente, estava eu na casa da minhas primas. Nesse dia, estávamos assistindo vários filmes românticos (não estamos apaixonadas kkkkk),e um me chamou a atenção! Provavelmente você já assistiu, "Como se fosse a primeira vez". Chorei muito! E lembrei que eu já tinha feito uma aplicação da nossa vida com o filme "Porto seguro" (Meu primeiro textinho, confere lá...). Decidi fazer novamente. So, let's go!

O filme conta a história de Lucy (Drew Berrymore) e Henry (Adam Sandler). Henry é um veterinário marinho que tem uma fama de "garanhão", mas isso muda quando entra em uma lanchonete e encontra Lucy sentada brincando com a comida. A primeiro momento ele achou estranho, mas se aproximou dela e eles conversaram bastante. Decidiram se encontrar lá novamente. E assim aconteceu. Mas, quando Henry chegou pra conversar com ela, Lucy se afastou assustada.…

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D