Pular para o conteúdo principal

Há quatro anos atrás


5 de novembro de 2014, 15:30hs da tarde, nublado, mas já choveu, já esquentou, o sol apareceu e desapareceu. Na boa, o clima de São Paulo está bem temperamental ultimamente. Há exatos quatro anos eu sentei na frente do computador pra começar o DAC (nem era pra ser esse nome! haha), não fazia ideia de onde estaria quatro anos depois, nem mesmo se ainda escreveria.

Há quatro anos eu tinha 14, com cabeça de 12, cara de 10, há quatro anos eu não trabalhava, era a melhor aluna da sala, queria muito ir pra Disney (ainda quero! kk) e ouvia Sandy & Júnior (ainda... Ah! Esquece!). Eu planejava ser professora de Língua Portuguesa e dar aula em alguma escola, hoje eu faço facul de Música, componho com uma amiga, dou algumas aulas mas nada muito sério e não tenho mais certeza do que me espera no fim do curso. Eu prometia pra mim mesma nunca tingir o cabelo (já aderi ao ombré hair, pintei de rosa, de verde e de roxo!). Há quatro anos atrás eu planejava morar sozinha aos 18, ter um namorado e me casar com 23, eu tinha pavor de sair no Sol (medo de pegar câncer! --'), eu tinha certeza de que seria bailarina pra sempre (até eu ter que escolher entre dar tempo à música ou ao ballet), que teria um gato de estimação pra sempre (até a bronquite decidir ser minha amiga), eu planejava tudo. Há quatro anos atrás eu não imaginava o que aconteceria nos quatro anos seguintes.


Mais ou menos 1460 dias são os quatro anos, umas 35.040 horas, tempo suficiente pra mudar muita coisa, pra quebrar muitos paradigmas e construir outros tantos, pra me fazer olhar a vida com mais dúvidas do que certezas mas com sede de respostas. Quem diria que quatro anos mudassem tanto alguém?

Não vou dizer que sou a rainha da experiência de vida, perae né tenho só 18! kk Mas foram quatro anos intensos! Mudei de escola, de religião, terminei a escola, comecei a faculdade,  aprendi a levar a vida com menos foco nos problemas e mais foco na vida em si, porque a vida não é problema, é um presente, a vida é o presente. Em quatro anos eu ousei mais, me desafiei mais, decidi começar a seguir meus sonhos, a viver a minha vida. E não foi porque um dia eu acordei e disse "Hoje eu vou mudar de vida!", mas sim porque as situações, as decisões a tomar me ensinaram a crescer.

A vida é assim com você também! Se decidir ficar na sua, sem se arriscar corre o risco de perder lições boas, mas se deixar que a vida se torne um presente, você verá que tudo depende de como encaramos as coisas.

O que mais me encanta em tudo é saber que Deus sempre esteve perto, Ele já sabia dos tombos e mesmo assim permitiu, ele sabia das conquistas e se alegrou comigo! Ele me mostrou que confiar e descansar são palavras chaves, que valorizar cada dia que Ele dá é ser grato por todos os "quatro anos" que eu viver.


Onde você estava a quatro anos atrás? Você pode perceber as mudanças? 


Sei também que muita coisa poderia ser evitada e o que não foi serve de lição! O blog refletiu muito da minha vida, muitas mudanças, um tempo parado, um tempo bombando, hoje simplesmente aqui, no seu lugar, onde as pessoas podem ver e tirar suas próprias conclusões  e onde o desejo de iluminar continua! Assim como eu!

Não sei o que me espera nos próximos quatro anos, mas sei que Deus já está cuidando, sei que cada detalhe ele tem nas mãos e que isso não exclui minha responsabilidade, isso só aumenta, porque não é bem aquele lance de "acima de tudo, Deus resolverá!", é o lance do "Deus me ensine, acima de tudo, a resolver", fazendo assim, a vida fica mais divertida e o relacionamento muda de Senhor-Eu e Servo-Deus para Pequeno-Eu e Amigo-Deus.

"Até aqui nos ajudou o Senhor." (1° Samuel 7:12)

#Feliz4anosDAC
Com amor,
Mari <3

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o coração que se partiu e ainda bate

Querido leitor, hoje quero falar sobre algo tão corriqueiro dos nossos dias e que ao mesmo tempo é crucial. Vivemos tão ocupados e enlouquecidos com as nossas rotinas e não nos damos conta do porque fazemos o que fazemos, não é?! Longe de querer ser clichê com esse assunto, escrevo com todo o temor que há no meu coração.
 Quantas vezes ao longo dessa estrada que é viver nos deparamos com inúmeras situações, algumas já planejadas por nossas ambições, outras, no entanto parecem cair como uma bomba na nossa direção e que inevitavelmente explode nos machucando, tirando a nossa paz e segurança. E sabemos que entre essas duas opções, as que mais acontecem são as que nos ferem, seja em forma de perda, ansiedade, relacionamentos, profissão, igreja, ministério, sonhos! Ah! Querido leitor, são tantas coisas que enfrentamos no cotidiano, tenho certeza que dariam ótimas histórias para o livro da vida.
O que desejo tratar aqui é o porquê de algumas aflições, afirmo que não tenho resposta para todas …

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D