Pular para o conteúdo principal

Escravo? Eu?


O que nos vem a mente quando falamos de escravidão? Geralmente é aquela ideia antiga de negros trabalhando, apanhando e etc. Segundo o dicionario de Português escravidão quer dizer: "circunstancia e que se encontra o escravo, condição da pessoa que serve, que se sujeita ou tende a se sujeitar a um poder arbitrário. Estado da pessoa que está completamente dependente de uma paixão, de um hábito ou de um vicio." 


E será que isso é muito incomum em nossa sociedade? Será que escravidão é mesmo coisa do passado? Infelizmente não!
Nós convivemos com pessoas que fazem uso do sexo, das drogas, do álcool e até mesmo do dinheiro de forma desenfreada, mas que na concepção delas é uma forma "livre", porém estão vivendo a libertinagem, algo oposto a liberdade, são escravas dos seus próprios desejos.


Mas e nós, somos livres?
Quem nos livrou, e do que livrou?

Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus, porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte. Porque, aquilo que a Lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado. E assim condenou o pecado na carne, a fim de que as justas exigências da Lei fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito.  Romanos 8:1-4
  A palavra do Senhor diz que nós éramos escravos do pecado e merecíamos a morte, mas Ele com a sua infinita misericórdia enviou Jesus para morrer em nosso lugar e nos livrar de toda condenação.

Porém essa liberdade não é para ser vivida de qualquer jeito! 
Nós devemos andar segundo o Evangelho, é para isso que fomos libertos, para viver uma vida de santidade, amor, compaixão, uma vida que exale a Cristo, rejeitando o nosso "eu", nosso ego e os desejos da carne todos os dias!


Fomos libertos para a liberdade e jamais devemos nos submeter a escravidão do pecado! (Gl 5:1)

                                                                                                               Um beijo, Poli <3



Comentários

  1. Amei o texto, e, esses dias estava pensando a mesma coisa. Achamos que quando fazemos as nossas vontades estamos sendo livres, mas não, estamos sendo escravos de algo que agrada a nossa carne, pois muitas vezes não conseguimos não fazer aquilo por sermos escravos de nós mesmos, da nossa natureza humana pecadora.
    Deus te abençoe, beijão <3

    aquela-queune.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Rebeca! Amém, que Ele abençoe a todos nós <3

      Excluir

Postar um comentário

Olá!!
Sinta-se livre para expressar sua opinião sobre o que leu aqui, queremos mesmo saber o que você pensa!
Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
Deus te abençoe! ♥
DAC

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Só Deus sabe conjugar amor, afinal é o próprio verbo Amar!

Helloo Girls!
Que saudadinha de escrever. Eu pensei em vários assuntos pra postar, mas não iniciei nenhum e de repente, estava eu na casa da minhas primas. Nesse dia, estávamos assistindo vários filmes românticos (não estamos apaixonadas kkkkk),e um me chamou a atenção! Provavelmente você já assistiu, "Como se fosse a primeira vez". Chorei muito! E lembrei que eu já tinha feito uma aplicação da nossa vida com o filme "Porto seguro" (Meu primeiro textinho, confere lá...). Decidi fazer novamente. So, let's go!

O filme conta a história de Lucy (Drew Berrymore) e Henry (Adam Sandler). Henry é um veterinário marinho que tem uma fama de "garanhão", mas isso muda quando entra em uma lanchonete e encontra Lucy sentada brincando com a comida. A primeiro momento ele achou estranho, mas se aproximou dela e eles conversaram bastante. Decidiram se encontrar lá novamente. E assim aconteceu. Mas, quando Henry chegou pra conversar com ela, Lucy se afastou assustada.…

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D