Pular para o conteúdo principal

O Presente imerecido do Pai

 
 A graça de Deus é a razão pela qual estamos vivos. É a razão da vida. Desde a criação do mundo Deus já derramava sua graça sobre tudo. Fez os céus, a terra e tudo o que há nela para que pudéssemos um viver bem, e adora-Lo através disso.
 Ele se compadeceu de nós e nos amou em cada detalhe dessa criação, e essa criação, hoje, abençoa a vida de todos, sem exceção, de justos e maus, como diz em Mateus 5:45 “ Para que vocês se tornem filhos do Pai de vocês, que está no céu. Porque Ele faz com que o sol brilhe sobre os bons e sobre os maus e dá a chuva tanto para os que fazem o bem, quando para os que faze o mal”. Essa é a chamada graça comum. O bem imerecido de Deus através da sua preciosa criação.
 O Salmo de número 23 diz que a bondade e o amor de Deus nos seguirão todos os dias, isso significa que a graça Dele também nos seguirá, pois não merecemos o Seu amor, mas mesmo assim ele cuida de nós e nos sustenta.
 Contudo, entre tantas outras manifestações destra graça, está a nossa salvação por meio da morte de Jesus.
 Efésio 2:8-9 diz que somos salvos pela graça de Deus e pela fé que Ele nos dá. Não é resultado de nada que fizemos, pois o que fizemos nos levaria a morte, mas a misericórdia de Deus nos livrou dessa condenação.
 Jesus foi entregue para ser crucificado e nos lavar do pecado com todo o Seu sangue quando merecíamos estar no Seu lugar. E essa é a maior manifestação da Graça e do Amor de Deus por nós.
 Agora, nós podemos desfrutar disso tendo livre acesso ao Pai, temos paz, esperança e alegria plena.
 "A graça de Deus é o favor imerecido para com a humanidade. É a Sua pré-disposição positiva de fazer o bem, de ajudar e de abençoar toda a Sua criação!"
                                                                                                                     Poli
 
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…