Pular para o conteúdo principal

O Caminho será escuro, mas Cristo é a luz do mundo!



                    


Querido leitor, hoje quero falar sobre algo que temos de sobra ao longo da vida: sofrimento! Foi o pregador inglês C. H. Spurgeon quem disse: "nossos sofrimentos são a oficina de Deus". Ora, mas como assim?

Apenas pensar na palavra já é um exercício por vezes difícil que nos traz a memória diversas situações que vivemos e que gostaríamos de esquecer. Mas calma, talvez seja esse o ponto onde erramos, talvez seja a nossa forma de compreender o sofrimento que esteja errada. Minha intenção aqui não é fazer você remoer todas estas coisas e nem oferecer uma solução banal para os seus problemas, mas lembrar você de quem Cristo é e do que Ele promete.


Vou direto ao ponto: hoje existem mensagens e ideias que têm sido apregoadas por diversas igrejas e grupos religiosos, que não têm absolutamente nada que ver com o evangelho simples e verdadeiro de Cristo. Ideias como: “se você vier para igreja os seus problemas acabarão”, “se você der o seu dízimo nunca ficara doente” ou até mesmo: “se aceitar a Cristo você receberá bênçãos de toda sorte”, não representam em nada o cerne do propósito da mensagem cristã encontrada na Bíblia Sagrada.

É muito possível que em algum lugar você já tenha escutado esse evangelho falso, meu propósito não é condenar pessoas, mas julgar atitudes e alertar sobre a prostituição da mensagem cristã promovida por gente que não tem compromisso com a verdade bíblica. Quero alertar você sobre o que as Escrituras realmente nos ensinam, e sobre o que elas tem a dizer em particular sobre o sofrimento.

O próprio Cristo adverte os seus discípulos no evangelho de João 16.33:

"Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham bom ânimo! Eu venci o mundo”. 

Se o nosso Salvador foi traído, preso, cuspido, açoitado, morto por amor a nós, eu lhe pergunto: quem somos nós para estarmos livres do sofrimento deste mundo?! Somos ou não seus seguidores? Por Sua morte somos livres do pecado, por Sua graça nos tornamos justos diante de Deus. Todavia, a justificação pela fé e a absolvição de todo pecado feita por Cristo na cruz do calvário não elimina o caminho da vida do lado de cá. A vida é assim, o sofrimento é parte inerente da existência humana e em nenhum momento o cristianismo bíblico prometeu algo diferente disso ao longo da história. O que a fé cristã garante é que todas as coisas no fim se acertarão em Cristo, a fé cristã garante redenção, salvação, gozo eterno, uma grande festa, comunhão eterna com Deus, mas não que como um passe de mágica os seguidores do crucificado teriam uma vida livres de tempestades aqui e agora. O final está garantido mas o caminho nunca deixará de ser sofrido.

Foi o escritor inglês C. S. Lewis quem disse: "se você gosta de uma vida confortável não lhe recomendo o cristianismo". Cristianismo é sinônimo de renúncia, implica suportar aflições por amor a Cristo e as pessoas. Ser cristão é carregar o nome de Jesus em tudo que fazemos, é carregar em nosso corpo as marcas de uma caminhada de constante abnegação e morte para nossa própria natureza mundana, idólatra do mundo e seu sistema caído.

O evangelho pregado em nossos dias está bastante distante do que os apóstolos nos legaram em obras e palavras. Hoje vemos púlpitos que não têm compromisso com a Palavra de Deus, e este é o erro supremo. Distanciarmo-nos da Palavra pela qual Cristo governa e sustenta a Sua igreja é a pior coisa que pode acontecer à uma igreja. Por isso meu apelo a você é: tenha critério, julgue aquilo que você ouve de acordo com os ensinamentos bíblicos como faziam os bereianos, não seja massa de manobra, não caia nessas heresias frívolas e medíocres que apequenam o vigor e a profundidade da mensagem cristã, tampe seus ouvidos e sobretudo guarde o seu coração.

Uma má compreensão da Bíblia Sagrada te leva a um relacionamento errado com Deus. A palavra de Deus nos mostra o quanto os cristãos sofreram por amor a Cristo, mas nos mostra também o quanto Deus sempre foi auxílio bem presente no momento da angústia do Seu povo.

Temos uma imagem, por vezes, de um Deus distante de nós, mas Ele é o Deus presente, é Ele quem nos supre e nos sustenta dia após dia.

Você pode até me dizer: "você não sabe o que tenho enfrentado", e você tem toda razão, não sei mesmo. Mas lembre-se de uma coisa: nossos sofrimentos nos levam a um crescimento ímpar diante de Deus e da vida, é nos dias difíceis que nos achegamos ao nosso Pai, é por meio dele que somos moldados, assim como o fogo refina o ouro, o sofrimento refina o nosso caráter para que a cada dia mais tenhamos a aparência de Cristo.

Lembremo-nos do apóstolo: “De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos”. (2 Coríntios 4.8-9)

Sofrimentos são meios que Deus se utiliza para nos moldar, nos ensinar e nos trazer para mais perto dEle. Que conforto tenho em meu coração quando me lembro das promessas do Senhor. Nada do que passamos é em vão, existem propósitos maiores do que podemos imaginar em nossos sofrimentos, Deus está sempre presente em cada detalhe da nossa vida. Lembre-se sempre: nada do que passamos ou venhamos passar pode ser comparado a quem Ele é. Sofrer faz parte, ser consolado também. E em todo esse processo haverá sempre riqueza e comunhão com Deus sem fim.



“Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a gloria que em nós será revelada. ” (Romanos 8.18)


                                                                                                                         

Com carinho,
Bia Ferraz  


Fica a Dica: 17 de Janeiro (Os Arrais)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Só Deus sabe conjugar amor, afinal é o próprio verbo Amar!

Helloo Girls!
Que saudadinha de escrever. Eu pensei em vários assuntos pra postar, mas não iniciei nenhum e de repente, estava eu na casa da minhas primas. Nesse dia, estávamos assistindo vários filmes românticos (não estamos apaixonadas kkkkk),e um me chamou a atenção! Provavelmente você já assistiu, "Como se fosse a primeira vez". Chorei muito! E lembrei que eu já tinha feito uma aplicação da nossa vida com o filme "Porto seguro" (Meu primeiro textinho, confere lá...). Decidi fazer novamente. So, let's go!

O filme conta a história de Lucy (Drew Berrymore) e Henry (Adam Sandler). Henry é um veterinário marinho que tem uma fama de "garanhão", mas isso muda quando entra em uma lanchonete e encontra Lucy sentada brincando com a comida. A primeiro momento ele achou estranho, mas se aproximou dela e eles conversaram bastante. Decidiram se encontrar lá novamente. E assim aconteceu. Mas, quando Henry chegou pra conversar com ela, Lucy se afastou assustada.…

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D