Pular para o conteúdo principal

Páscoa: Ressurreição



Querido leitor,  
Hoje falaremos sobre a esperança das esperanças, falaremos sobre que há de mais importante para conhecermos em toda nossa história: a ressurreição de Cristo! Foi Hernandes Dias Lopes quem disse que a ressurreição do Filho de Deus é a melhor notícia que o mundo já ouviu. Confesso que ainda não havia pensado por esta perspectiva, para mim, a cruz sempre foi o ápice do cristianismo, mas do que valeria a morte de Cristo se não houvesse a ressurreição?
Durante este mês de Abril, ouvimos falar tanto sobre a Páscoa, todavia, infelizmente o que mais se espalha sobre ela são conceitos completamente equivocados, que desmerecem e prostituem o sublime significado desta data. Até mesmo cristãos se esquecem ou não compreendem o verdadeiro significado da Páscoa. Sei que ao pensarmos na última ceia, na crucificação e na ressurreição, nosso coração tende a se entristecer por lembrarmos dos últimos momentos de Cristo na terra e todo sofrimentos vividos por Ele em nosso lugar, eram nossas todas aquelas feridas, o Justo foi ferido no lugar dos injustos, o Santo traspassado no lugar dos pecadores. Contudo, e se Ele não passasse por tudo isso, e se Ele não tivesse bebido todo o cálice da ira de Deus que tanto o afligia no Getsêmani? Nossa vida não teria sentido, a bem da verdade nós nem estaríamos aqui. Temos de entender que a cruz de Cristo sustenta a tudo e a todos. Existe uma dimensão cósmica no sacrifício vicário de Cristo e em sua ressurreição que faz com que tudo e com que todos ainda existam e estejam diante de Deus, não fosse Cristo o mundo já teria sido esmagado pelo Pai, tamanhas são as injustiças, as impiedades, a rebelião e os desmandos cometidos pelo homem em ofensa a um Deus que é três vezes Santo.
A Bíblia Sagrada nos mostra que antes da fundação do mundo, o cordeiro já havia sido morto, Cristo nunca foi um plano b de Deus, Ele é o centro de todas as coisas. Entre todas as histórias contidas nas Escrituras, o sofrimento de Maria Madalena ao não encontrar Jesus morto no sepulcro na manhã de domingo me chama muito a atenção. No domingo da ressurreição, bem de madrugadinha, ela vai até o sepulcro onde Jesus fora sepultado, Maria viu que a pedra havia sido removida da tumba. O evangelho de João relata sua reação: “Maria, porém, estava em pé, diante do sepulcro, a chorar. Enquanto chorava, abaixou-se a olhar para dentro do sepulcro.” É patente o desespero de Maria no relato bíblico. É desoladora a angústia de Maria por não ver o corpo de Jesus ali. Notem que Maria havia se esquecido de tudo que seu Mestre havia lhe falado sobre Sua ressurreição ao terceiro dia, o que temos estampado diante de nós é uma mulher mergulhada em total desesperança, em uma fé vacilante, com um espírito abatido e uma perspectiva de vida completamente esvaziada de sentido.  
Ao que de uma hora para outra Jesus surpreende sua confusa e incrédula seguidora que tanto chorava, chamando-a pelo nome: Maria! Ao ter seus olhos abertos por seu “Raboni”, o coração de Maria certamente explodiu de alegria e esperança: Meu Deus o que é isso?! Nem mesmo a morte era capaz de parar Jesus. É minhas queridas e meus queridos leitores, este é o nosso Senhor!
Pois bem, é exatamente firmados neste relato fantástico ocorrido com Madalena, que eu e você precisamos entender que se Jesus não tivesse ressurgido dos mortos estaríamos exatamente como ela estava, perdidos, mortos, sem rumo, distantes da vida de Deus e do Deus da vida. Se Cristo não tivesse ressuscitado, Ele não seria soberano sobre todas as coisas, não seria o Todo-Poderoso sobre o Universo, antes, teria sobre si algo maior, mais vitorioso e mais poderoso: a morte. Ora, mas que petulância desta intrusa! Jamais nosso Senhor permitiria se deixar vencer por algo tão vil: ao terceiro dia veio Ele, o Ressurreto, o Justo e o Justificador, o Santo, o Cordeiro Pascal, o Ungido de Deus, glorificado, vencedor sobre tudo e sobre todos, garantindo a todos os que creram, creem e crerão, vida, vida eterna, vida em abundância, aqui, agora e por todo sempre.
A ressurreição é a prova de que Cristo cumpriu todo o proposito para o qual foi enviado por Deus Pai, e isso trouxe vida e libertação a nós, em sua morte houve tristeza e sofrimento sim, mas ela durou apenas três dias. Mesmo em dias difíceis e tristes como os que Maria Madalena enfrentou, que não nos esqueçamos: Ele é a Ressurreição e a vida, e se vivermos nesse mundo com uma perspectiva apenas terrena, somos os mais miseráveis de todos os homens, pois Cristo em sua ressureição nos garante vida eterna que a nada pode ser comparada.
Querido leitor, tenha esperança nos dias difíceis! Ele ressuscitou, nem a morte foi capaz de detê-lo e podemos desfrutar de uma eternidade toda com Ele, o Autor da vida. Que a nossa fé não veja um Cristo morto, mas que vive e em breve voltará em glória. Meu desejo é que diante dessa notícia - a melhor notícia do mundo - sejamos plenamente satisfeitos nEle. Porque se Ele vive, podemos crer no amanhã e aquele que sustenta todo o universo, sustenta também a minha e a sua vida.

Disse-lhe Jesus: "Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá.”
João 11.25




Bia Ferraz 


Fica a dica: Ele Vive (Leonardo Gonçalves) 


  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…