Pular para o conteúdo principal

Páscoa: Ressurreição



Querido leitor,  
Hoje falaremos sobre a esperança das esperanças, falaremos sobre que há de mais importante para conhecermos em toda nossa história: a ressurreição de Cristo! Foi Hernandes Dias Lopes quem disse que a ressurreição do Filho de Deus é a melhor notícia que o mundo já ouviu. Confesso que ainda não havia pensado por esta perspectiva, para mim, a cruz sempre foi o ápice do cristianismo, mas do que valeria a morte de Cristo se não houvesse a ressurreição?
Durante este mês de Abril, ouvimos falar tanto sobre a Páscoa, todavia, infelizmente o que mais se espalha sobre ela são conceitos completamente equivocados, que desmerecem e prostituem o sublime significado desta data. Até mesmo cristãos se esquecem ou não compreendem o verdadeiro significado da Páscoa. Sei que ao pensarmos na última ceia, na crucificação e na ressurreição, nosso coração tende a se entristecer por lembrarmos dos últimos momentos de Cristo na terra e todo sofrimentos vividos por Ele em nosso lugar, eram nossas todas aquelas feridas, o Justo foi ferido no lugar dos injustos, o Santo traspassado no lugar dos pecadores. Contudo, e se Ele não passasse por tudo isso, e se Ele não tivesse bebido todo o cálice da ira de Deus que tanto o afligia no Getsêmani? Nossa vida não teria sentido, a bem da verdade nós nem estaríamos aqui. Temos de entender que a cruz de Cristo sustenta a tudo e a todos. Existe uma dimensão cósmica no sacrifício vicário de Cristo e em sua ressurreição que faz com que tudo e com que todos ainda existam e estejam diante de Deus, não fosse Cristo o mundo já teria sido esmagado pelo Pai, tamanhas são as injustiças, as impiedades, a rebelião e os desmandos cometidos pelo homem em ofensa a um Deus que é três vezes Santo.
A Bíblia Sagrada nos mostra que antes da fundação do mundo, o cordeiro já havia sido morto, Cristo nunca foi um plano b de Deus, Ele é o centro de todas as coisas. Entre todas as histórias contidas nas Escrituras, o sofrimento de Maria Madalena ao não encontrar Jesus morto no sepulcro na manhã de domingo me chama muito a atenção. No domingo da ressurreição, bem de madrugadinha, ela vai até o sepulcro onde Jesus fora sepultado, Maria viu que a pedra havia sido removida da tumba. O evangelho de João relata sua reação: “Maria, porém, estava em pé, diante do sepulcro, a chorar. Enquanto chorava, abaixou-se a olhar para dentro do sepulcro.” É patente o desespero de Maria no relato bíblico. É desoladora a angústia de Maria por não ver o corpo de Jesus ali. Notem que Maria havia se esquecido de tudo que seu Mestre havia lhe falado sobre Sua ressurreição ao terceiro dia, o que temos estampado diante de nós é uma mulher mergulhada em total desesperança, em uma fé vacilante, com um espírito abatido e uma perspectiva de vida completamente esvaziada de sentido.  
Ao que de uma hora para outra Jesus surpreende sua confusa e incrédula seguidora que tanto chorava, chamando-a pelo nome: Maria! Ao ter seus olhos abertos por seu “Raboni”, o coração de Maria certamente explodiu de alegria e esperança: Meu Deus o que é isso?! Nem mesmo a morte era capaz de parar Jesus. É minhas queridas e meus queridos leitores, este é o nosso Senhor!
Pois bem, é exatamente firmados neste relato fantástico ocorrido com Madalena, que eu e você precisamos entender que se Jesus não tivesse ressurgido dos mortos estaríamos exatamente como ela estava, perdidos, mortos, sem rumo, distantes da vida de Deus e do Deus da vida. Se Cristo não tivesse ressuscitado, Ele não seria soberano sobre todas as coisas, não seria o Todo-Poderoso sobre o Universo, antes, teria sobre si algo maior, mais vitorioso e mais poderoso: a morte. Ora, mas que petulância desta intrusa! Jamais nosso Senhor permitiria se deixar vencer por algo tão vil: ao terceiro dia veio Ele, o Ressurreto, o Justo e o Justificador, o Santo, o Cordeiro Pascal, o Ungido de Deus, glorificado, vencedor sobre tudo e sobre todos, garantindo a todos os que creram, creem e crerão, vida, vida eterna, vida em abundância, aqui, agora e por todo sempre.
A ressurreição é a prova de que Cristo cumpriu todo o proposito para o qual foi enviado por Deus Pai, e isso trouxe vida e libertação a nós, em sua morte houve tristeza e sofrimento sim, mas ela durou apenas três dias. Mesmo em dias difíceis e tristes como os que Maria Madalena enfrentou, que não nos esqueçamos: Ele é a Ressurreição e a vida, e se vivermos nesse mundo com uma perspectiva apenas terrena, somos os mais miseráveis de todos os homens, pois Cristo em sua ressureição nos garante vida eterna que a nada pode ser comparada.
Querido leitor, tenha esperança nos dias difíceis! Ele ressuscitou, nem a morte foi capaz de detê-lo e podemos desfrutar de uma eternidade toda com Ele, o Autor da vida. Que a nossa fé não veja um Cristo morto, mas que vive e em breve voltará em glória. Meu desejo é que diante dessa notícia - a melhor notícia do mundo - sejamos plenamente satisfeitos nEle. Porque se Ele vive, podemos crer no amanhã e aquele que sustenta todo o universo, sustenta também a minha e a sua vida.

Disse-lhe Jesus: "Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá.”
João 11.25




Bia Ferraz 


Fica a dica: Ele Vive (Leonardo Gonçalves) 


  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…