Pular para o conteúdo principal

Tatuagem, pode?

Olá Destinadas ao Céu, gostaria de pedir a vocês que falassem um pouquinho sobre tatuagens no blog. Obrigada ^^  M.

 Um Resposta Pastoral

As Escrituras declaram que o nosso corpo é templo do Espirito Santo conforme I Coríntios 6.19 “Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?” Sendo assim é sensato de fato procurar saber qual o padrão de Deus para esse templo.
Temos apenas um texto que fala sobre o marcar o corpo que se encontra em Levítico 19.28
Contudo não temos um claro e explicito mandamento sobre esta questão nas Escrituras, mas temos alguns princípios que podem te ajudar a decidir sobre isso.
Essa formula serve para nos ajudar discernir entre o que é certo e errado.
Questão 1: O que estou prestes a fazer e útil ou proveitoso – fisicamente, mentalmente e espiritualmente? Convém que seja feito?
“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm.” I Coríntios 6.12
Questão 2: O que estou prestes a fazer pode me dominar?
“Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.” I Coríntios 6.12
Questão 3: O que estou prestes a fazer ofende a outros? Escandaliza?
“E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo.” I Coríntios 8.13
Questão 4: O que estou prestes a fazer glorifica a Deus?
“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.” I Coríntios 10.31
Sabendo que não somos guiados por regras e sim pelo Espirito Santo, e o modo pelo qual o Espirito Santo nos guia é por meio da Palavra de Deus. Leia e medite nestes versículos, e que a vontade de Deus se cumpra sobre a sua vida.

Um Resposta Reflexiva

Penso que se pregar o não-uso de tatuagens (poderia ser um brinco ou uma calça jeans) pela imagem da tradição, pela exaltação da identidade da denominação, pelo glória da imagem moral de si mesmo, Deus ficaria em segundo plano e nesse caso a pregação do não-usar tatuagem seria pecado, pois desfoca a glória de Deus e coloca nas atitudes morais.
Da mesma forma, se quero usar uma tatuagem para afirmar a minha identidade, para confrontar “o sistema” com a liberdade da minha mente, para atrair os olhares e sensualizar, o uso da tatuagem (ou de uma calça jeans) se torna pecado, pois mais uma vez a imagem do homem num prazer fútil coloca Deus de lado.
Enfim, o objetivo do coração do crente é que o problema. Não a atitude.
Simão, o mago, buscava gozar dos dons do espírito – Paulo dizia que devemos buscar – mas ele o fazia com objetivos completamente carnais e não-regenerados. Se fazemos ou nos abstemos de algo sendo guiados por objetivos baseados em nossos próprios desejos não-regenerados cometemos pecado. Mais específico: se tatuamos ou deixamos de tatuar baseados em nossos próprios desejos não-regenerados cometemos pecado.

Uma Resposta Teológica

Levítico 19:28 condena tatuagens no Israel antigo. Essa proibição fazia parte do “código de santidade”, uma seção extensa de Levítico dedicada a leis que foram dadas a Israel para distinguir o povo das nações ao redor deles. Os gentios usavam tatuagens, portanto, Israel não deveria usá-las para fornecer uma demonstração visível do fato que Israel era “santo” (isto é, separado como especial para Deus). A partir do contexto de Levítico 19:28, parece que as tatuagens especificamente proibidas eram aquelas recebidas como parte de uma cerimônia pagã, embora alguns pensem que é uma proibição ampla contra todas as tatuagens.
Contudo, quando Cristo veio, ele derrubou a parede divisória entre judeus e gentios (Ef. 2:12ss.). Especificamente, isso significa que as leis que foram dadas para separar Israel do restante das nações, são agora contraproducentes se aplicadas na mesma forma que o Israel antigo as observava. Devemos adaptar nossa aplicação da Lei para seguir o seu propósito original à luz das mudanças que Cristo trouxe.
Considere o exemplo da circuncisão. Essa estipulação distinguia Israel dos cananistas na Terra Prometida. Mas o Novo Testamento nos ensina claramente que ser santo para Deus não mais requer ser circuncidado (e.g. Rm. 2; Gl. 2; 5). A circuncisão era um símbolo exterior de dedicação a Deus. Mas esse símbolo exterior, dividindo povos ao longo de linhas raciais, não é mais útil. O povo de Deus procede de toda nação, e os símbolos de santidade que devemos carregar agora são um coração puro (e.g. Rm. 2:28-29, que também era requerido no Antigo Testamento) e o batismo (que não tem quaisquer conotações raciais, e substituiu a circuncisão como o sinal do pacto; Cl. 2:11-12).
Ora, isso não é dizer que tudo o que aparece no “código de santidade” pertence somente a tal separação – há outros fatores em ação também, tais como os morais (a moralidade de Israel era para ajudá-la a se distinguir das outras nações). Se alguém está convencido que as tatuagens eram uma questão moral, então tal pessoa deve se abster delas. Eu, contudo, não posso pensar em nenhuma razão para a tatuagem ser uma questão moral – certamente a Bíblia não declara que existem falhas morais envolvidas no uso de uma tatuagem, não importa qual seja o contexto. O caso seria muito similar aos mandamentos que não devemos cortar o cabelo em redondo ou danificar as extremidades da barba (Lv. 19:27). Essas são práticas inocentes em si mesmas. Elas eram erradas no antigo Israel por causa de sua associação com práticas pagãs (tais como adivinhação, rituais de morte, prostituição cúltica, etc.; cf. Lv. 19:26-31). Se essas ações não possuem associações perversas em nosso tempo, não existe nenhuma razão para proibi-las.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Mas o que é Mordomia Cristã?!

Quando você pensa na palavra "mordomia", o que vem a sua mente?
No cenário atual é nítido que o conceito de mordomia divulgado pela imprensa em geral é o de regalias no exercício da função pública. Mas aí você pode me dizer: “ah, mas eu sou cristã né?! E é óbvio que sei que mordomia não é viver uma vida de regalias". Hmm sei, mas sinto em lhe dizer que corremos um grande risco de não estarmos vivendo a mordomia bíblica em sua totalidade .
Aqui trataremos brevemente deste assunto, mas eu a encorajo a fazer um estudo pessoal aprofundado sobre o mesmo, pois tenho certeza que você crescerá muito no desenvolvimento de sua salvação se assim o fizer. Pois bem! Vamos pensar então em duas verdades e partindo delas compreender a mordomia cristã bíblica.

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D