Pular para o conteúdo principal

“O Homem perdeu seu valor no mundo” (Parte II)



“O Homem perdeu seu valor no mundo (v 14 ao 16)





14 Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade. 15 Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para seu campo a fim de cuidar de porcos. 16 Ele desejava encher o estômago com as bolotas que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada.





Nestes versículos estão bem claro, o valor do Filho (HOMEM) como empregado daquele dono de porcos. O Filho no mundo não tinha valor nenhum.Os porcos eram mais importantes.

É assim, o mundo onde vivemos, nós nos esquecemos de uma lição importantíssima que Jesus nos deixou quando veio ao mundo:

Mateus 22. 37 a 40
Jesus Respondeu:
“‘Ame o Senhor teu Deus de todo o seu coração, de todo o seu entendimento’. 38 Este é o primeiro e o maior mandamento. 39 E o segundo é semelhante a ele: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas”.

Uma propaganda que eu vi na televisão e eu achei muito interessante era, sobre “comunicar faz toda a diferença”.
 E a cena era mais ou menos assim:

Um mendigo em meio ao lixo e entulho, onde ele está todo sujo e barbado. Com ele seu cachorrinho amarrado com uma corda. O tempo passa e ele não recebe nenhuma esmola. Com isso o mendigo tem uma idéia, ele escreve em um cartaz a seguinte frase:
“Ele está com fome”
Com uma seta apontando para o cachorrinho, depois disso as pessoas que passam por ali começam a dar esmolas para que o cachorrinho não passe fome.


 Eu não quero dizer que a propaganda é ruim, com certeza o mendigo conseguiu atingir seu objetivo com aquela placa.
Mas, para e pense:
Porque as pessoas ajudaram?
Os irmãos que virão essa propaganda vão concordar que o cachorrinho era bonito, bem mais fácil de se ajudar.

Será que você está fazendo isso. Você só ama aquilo que é bonito, pois o pobre mendigo é o seu próximo.
Não estou dizendo que você de vê dar esmolas para os mendigos.
Mas pare e pense.

Eu estou preocupado com meu próximo?
Eu desejo ao meu próximo o que eu desejo para mim?
Ou eu só quero fazer o Fácil.

Qualquer pessoa ajuda quando é Fácil. Mas você tem que ser diferente irmão, pois você é diferente é filho do Senhor e assumiu seguir seus passos.

Você está seguindo o que Jesus deixou pra você?
Ou está perdido e não consegue amar seu próximo?

Continua... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…