Pular para o conteúdo principal

O Verdadeiro Arrependimento - Keith Green


Você entende a diferença entre a convicção do Espírito Santo e a condenação que o diabo produz? Algumas pessoas repreendem o diabo, fazem uma batalha espiritual, e ainda assim não entendem por que nada muda.
Isto é porque não reconhecemos que pode ser o Espírito Santo trabalhando duro para conseguir nossa atenção. Ele quer nos mostrar a condição do nosso coraçao, trazendo à tona pecados escondidos em cantos escuros – pecados que não queremos admitir. Somos libertos apenas quando os admitimos e nos arrependemos.
Logo que me converti, eu não entendia o que era o arrependimento. Assim, passei muito tempo procurando aconselhamento. Eu dizia à pessoa que estava me aconselhando, “Não me sinto salvo. Estou falhando em muitas áreas. Estou fraco e frustrado.”

E a pessoa respondi, “Não, é o diabo tentando condená-lo. Você tem que resistí-lo, e crer que Jesus o ama.”
“Tudo bem”, eu dizia, “mas eu me sinto podre em todas aquelas áreas. Além disso, não tenho qualquer paz. Estou avacalhando tudo. Como é que eu posso ser uma pessoa salva?”
“Claro que você é salvo”, me respondiam. “Todos nós erramos às vezes. Não dê ouvidos àquelas mentiras. Deus diz que agora você é livre. Você tem que receber pela fé.”
Assim, no fim de cada sessão de aconselhamento, eu resolvia orar mais e exercitar minha fé ainda mais. E era isso que eu fazia! Eu orava bastante. Também lia minha Bíblia todos os dias. Mas na semana seguinte, lá estava eu no mesmo lugar.
Até que, um dia, já não dava mais para aguentar. Disse à minha esposa, “ainda que tenha que apodrecer aqui dentro, não saio desta casa até ter paz com Deus.” Então enterrei minha cabeça no colchão e clamei a Deus de todo o coração e toda a alma: “Senhor, não aguento mais minha hipocrisia. Não aguento mais agir como se estivesse acontecendo um reavivamento no meu coração, quando na realidade não tenho paz. Qual é o meu problema?”
Então o Espírito Santo brilhou Sua Luz no meu coração. “Você ainda não entendeu?” Ele me disse. “Seu orgulho está dizendo que o seu pecado é apenas uma parte da sua personalidade. Seu orgulho fez você acreditar que essas áreas fracas são algo que você terá que aprender a aceitar. Mas isso não é verdade. Você é um pecador, e precisa se arrepender”.
Respondi ao Senhor, “Sim, mas todos nós somos pecadores!”
A repreensão do Senhor me fez cair do cavalo: “Não invente desculpas. Você é um pecador”. Então Ele começou a me mostrar que aquilo que eu sentia era a Sua convicção.
Entendeu? Deus estava tentando me conduzir ao arrependimento – e eu, por outro lado, estava repreendendo o diabo! O que eu não sabia – porque ninguém havia me contado – era como aceitar a mensagem da salvação por completo. Eu não tinha encarado o meu pecado e me arrependido.
Mas muitos crentes ainda estão sob jugo porque não experimentaram a verdadeira liberdade. Por quê? Porque ninguém lhe explicou aquilo que o arrependimento pode fazer. Ninguém lhes disse que, para nos livrarmos do pecado, temos que tratar inflexivelmente com ele! O problema é que às vezes as pessoas usam a palavra fé com o sentido de fingimento. Por exemplo, você diz “fui liberto pela fé” e então finge que é livre, quando na verdade você não é. Isso não é fé, é uma piada sem graça. Davi nos diz algo sobre isto:
Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos pelos meus constantes gemidos todo o dia. Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim; e o meu vigor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado. Salmo 32:3-5
“Tua mão pesava sobre mim.” Soa  como convicção de pecado. O que foi que Davi fez? Arrependeu-se do seu pecado. Confessou-o ao Senhor e recebeu perdão. Assim, sua culpa foi tirada.
O Espírito Santo quer nos convencer, para que possamos nos arrepender e sejamos restaurados. O diabo quer nos desmoralizar e, por fim, nos destruir. A diferença é simples: o Espírito Santo sempre éespecífico. Ele diz “pare de gritar com seus filhos,” ou “você precisa orar mais.” Por outro lado, o diabo sempre faz acusações gerais. Ele diz coisas do tipo “você é um pai (ou mãe) terrível e crente fajuto, que não ora. Por que você não desiste de uma vez?”
É importante saber quem está falando conosco para termos a resposta correta – e sermos livres.
Após sua conversão, Keith Green colocou seu talento musical à disposição do Reino de Deus e realizou diversos concertos anunciando o cristianismo sério e engajado através de sua mensagem simples, direta e apaixonada pelo Senhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Eu, eu mesmo e Pedro

Agora não compreendes o que eu faço, mas depois entenderás.
Em uma conversa casual, refletindo sobre este versículo, algo nos chamou a atenção.  Já ouvimos em muitas aplicações como temos atitudes semelhantes às dos personagens bíblicos, Adão é aquele citado para falar de quem não assume a responsabilidade dos seus atos e sempre joga a culpa em outra pessoa, ou Jonas quando foge do chamado de Deus, ou Moisés que sempre coloca um empecilho para aceitar a missão que Deus lhe confiou... A reflexão de hoje nos aproxima mais uma vez de um personagem bíblico e nos traz algumas lições. Vamos juntos?

Muita emoção, nenhuma conversão

A paz do Senhor meus queridos!
Como estão?
_______________________________________

Ao abrir meu painel do blogger hoje me deparei com uma atualização de um dos blogs que sigo, onde a notícia falava sobre uma apresentadora de um programa de televisão que chorou ao ouvir uma música de uma cantora evangélica, que enquanto a cantora fazia sua apresentação a moça ficou muito emocionada e a cantora também, enfim, vocês devem saber quem é.
Então decidi postar sobre isso hoje, falar um pouco sobre o emocionalismo extremo de muitos que se dizem cristãos, mas que após seus momentos maravilhosos na presença de Deus, simplesmente voltam à suas vidas normais. O que realmente deveria acontecer depois de uma emocionante noite de culto ou oração? Por que tantas pessoas choram, pulam, gritam, dançam, sapateiam ... Mas depois disso não há sequer um sinal de mudança na vida delas? Será que chorar ao ouvir lindos louvores significa algo? E se eu não chorar? Quer dizer que não estou sentindo a presença de…