Pular para o conteúdo principal

Duvidei do amor de Deus

"Eu passei muito tempo lendo a Bíblia, mas isso não significava muito para mim."
por Emily Kloosterman como disse a Amy Adair
 



Eu sentei no sofá e olhei em volta para todas as pessoas que tinham vindo para o estudo bíblico do grupo de jovens.  Ia quase toda semana para as reuniões da noite de domingo e não queria ir para outra atividade da igreja. Mas Kelly, minha líder do grupo de jovens, e alguém que eu realmente respeito, me disse que era importante ter tempo para estudar a Bíblia. 
Havia muita gente nova e Kelly quis nos conhecer melhor.  Ela pediu para cada um falar sobre como nos tornamos cristãos. Quando chegou minha vez, eu me mechi nervosamente em minha cadeira, limpei a garganta e comecei.
"Eu me tornei uma cristã quando eu tinha 9 anos." Fiz uma pausa, sentindo uma forma de caroço na minha garganta e meus olhos se encheram de lágrimas.  "Foi o ano em que minha mãe morreu de câncer de mama. ... Ela era uma cristã, mas isso não torna mais fácil."
Ninguém se mexeu ou fez um som. Então eu enxuguei as lágrimas e continuei falando.
 "Tanto o meu pai e meu avô foram completamente devastados. Mas eles confiaram em Deus, e eu queria o mesmo tipo de confiança."
Quando finalmente parei de falar, recebi um monte de abraços. E vi que Kelly estava chorando também. Ela sabia tudo sobre minha mãe.  Mas o que ela não sabia, e o que eu não queria compartilhar com os outros, foi que, embora a minha mãe tivesse morrido há vários anos, eu ainda não tinha paz sobre a morte dela. Muitas vezes me perguntei como um Deus amoroso poderia levá-la longe de mim.
Na semana seguinte, voltei a estudar a Bíblia. Kelly começou lendo Tiago 1:22 : "E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes...".
Enquanto eu ouvia eu me sentia meio culpada.  Eu passei muito tempo lendo a Bíblia, mas isso não significava muito para mim.  Eu realmente não era uma pessoa má, mas eu sei que não fazia esse trabalho árduo na aplicação da Palavra de Deus.
"Vamos orientá-los sobre a Bíblia", destacou Kelly. Com esse desafio, Kelly pediu então a cada um de nós para fazer devoções diárias.  Ela disse que uma das melhores maneiras de fazer isso era ter um parceiro, alguém que ajudaria você com o seu devocional.
Eu não tinha certeza se queria assumir esse tipo de compromisso. Mas Kelly se ofereceu para ser minha parceira, então concordei.
Kelly me ligava uma vez por semana para ver se eu estava acompanhando o meu devocional.  Conforme as semanas passavam, começamos a ter algumas conversas profundas sobre Deus e a vida.
Uma noite, eu disse a Kelly que eu ainda lutava com a morte da minha mãe. Ela não falou muito, mas principalmente escutou. Ela também assegurou-me que Deus realmente me amava e queria o melhor para mim.  Em uma voz suave e delicada, ela citou Jeremias 29:11 : "Porque eu sei os planos que tenho para vocês ', diz o Senhor,' planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhe esperança e um futuro ".
Aquela conversa com Kelly realmente me ajudou. Não foram apenas as  palavras de Kelly que me ajudaram a sentir o amor de Deus. O jeito como ela estendeu a mão e se preocupou comigo me mostrou o quanto Deus me amava.
Ao longo do ano, fiquei perto de Kelly e durante todo o resto do estudo da Bíblia. E como todos nós tivemos de conhecer a Bíblia e Deus melhor, eu fui capaz de fazer as pazes com a perda de minha mãe.
Eu já não tinha dúvidas de que Deus me amava.


*Adaptado de: Crhistianity Today

Comentários

  1. Que lindo, Mari.
    Te confesso que eu estava precisando ler isso. Glória a Deus pelo seu blog, querida. Fique firme no Senhor, que você será sempre usada por Ele.

    Beeijos!

    ResponderExcluir
  2. ouwunm!!!
    Obrigada querida!
    Que Deus te abençoe e muito também e te molde para ser sempre esse instrumento do Seu imenso amor!
    Bjinhooss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá!!
Sinta-se livre para expressar sua opinião sobre o que leu aqui, queremos mesmo saber o que você pensa!
Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
Deus te abençoe! ♥
DAC

Postagens mais visitadas deste blog

Carta para o coração que se partiu e ainda bate

Querido leitor, hoje quero falar sobre algo tão corriqueiro dos nossos dias e que ao mesmo tempo é crucial. Vivemos tão ocupados e enlouquecidos com as nossas rotinas e não nos damos conta do porque fazemos o que fazemos, não é?! Longe de querer ser clichê com esse assunto, escrevo com todo o temor que há no meu coração.
 Quantas vezes ao longo dessa estrada que é viver nos deparamos com inúmeras situações, algumas já planejadas por nossas ambições, outras, no entanto parecem cair como uma bomba na nossa direção e que inevitavelmente explode nos machucando, tirando a nossa paz e segurança. E sabemos que entre essas duas opções, as que mais acontecem são as que nos ferem, seja em forma de perda, ansiedade, relacionamentos, profissão, igreja, ministério, sonhos! Ah! Querido leitor, são tantas coisas que enfrentamos no cotidiano, tenho certeza que dariam ótimas histórias para o livro da vida.
O que desejo tratar aqui é o porquê de algumas aflições, afirmo que não tenho resposta para todas …

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

A conversão de C. S. Lewis

Você, provavelmente, já ouviu falar no autor de "As Crônicas de Nárnia". Eu também, desde que conheci um pouco mais sobre ele, tive curiosidade em saber se ele era ateu ou cristão, pois (para bons entendedores) as Crônicas de Nárnia trazem uma mensagem com muitos valores cristãos, mas também contém muitas características duvidosas quanto ao que a história realmente quer transmitir. Então fiquei naquele impasse: Será  que é? Será que não é?

Hoje, decidi procurar um pouco mais sobre a vida dele e sanar minhas dúvidas. Agora quero compartilhar com vocês! Espero que gostem! =D