Pular para o conteúdo principal

Me Converti... E Agora??? {04}



Você já prestou atenção em como fala ou conversa uma pessoa que lê muitos livros (me refiro a livros de verdade e não histórias em quadrinhos) ? Se já, deve ter percebido que ela fala de uma maneira mais formal do que alguém que não tem esse hábito, isso acontece porque ela alimenta sua mente com um conteúdo formal e culto. E você já parou para comparar como conversam os cristãos e como conversam as pessoas que ainda não se encontraram com Deus? É a mesma coisa, aquele que é cristão alimenta sua mente e seu coração com coisas boas (Bíblia, relacionamento com Deus, relacionamento com outros cristãos...) e como consequência disso ele é capaz de demonstrar através de suas palavras o amor de Deus, já aquele que não é cristão não é capaz de transmitir isso, justamente porque não se alimenta disso.
Acredito que como cristãs (os) que somos necessitamos ser preenchidas (os) todos  os dias pelo conteúdo saudável e santificador que procede das coisas do Nosso Senhor para poder transmitir isso, se todos os dias nos alimentamos da Palavra de Deus, lemos livros que nos ajudarão na nossa caminhada espiritual e buscamos tudos o que é de Deus, nosso coração vai se purificando cada vez mais e se tornando um coração santo, à partir disso, transmitimos algo diferente para os que estão ao nosso redor e essa também é uma forma de honrar o nome de Jesus.
Uma vez uma garota estava no ponto de ônibus esperando o ônibus para ir para sua casa, parou um rapaz perto dela e começou a conversar, depois de algum tempo ele lhe disse: "Você é diferente." Ela nem deu muita importância ao comentário, mas ele prossegui: "É verdade, você é diferente de qualquer outra menina com quem eu já conversei, durante todo o tempo em que estamos aqui você não disse nenhum palavrão, nenhuma besteira, apenas conversou comigo, você é a primeira menina que eu conheço que faz isso." A garota então entendeu o que ele estava querendo falar e respondeu: "Ah... é que eu sou cristã, eu participo da igreja e nessas condições não me convém falar assim..." O ônibus chegou e ela se foi, mas acredito que se foi com a certeza de que evangelizou com seu jeito de ser.
Essa história aconteceu de verdade com uma menina que eu conheço e eu tenho certeza de que um dia ou outro isso também pode acontecer conosco, poderemos ser diferenciadas por nossas palavras e é justamente por isso que não convém a nós sermos certinhas apenas nas igrejas, mas levar tudo isso para onde formos. Imagine se um dia alguém te vê na Igreja e no outro te vê na rua com as amigas falando um monte de bobeiras ou palavrões, ou talvez você não precise nem sair de casa para isso acontecer, você pode não estar em um dia muito bom e alguém tenta de todas as formas tirar a sua paciência, então você explode em xingamentos chulos e desprovidos de caráter ou respeito e ainda vai reclamar sobre o fato no twitter, com atitudes assim você está simplesmente jogando pro alto tudo o que Jesus representa em sua vida por não mostrar que nesses momento também você é uma verdadeira garota d'Ele. As nossas palavras podem ser tanto para abençoar, quanto amaldiçoar, nós é que escolhemos o que iremos fazer com elas. 
O meu conselho quanto a isso está dado, agora é você quem decide a quem você quer servir.
Quer mais?
*Ps.: Eu sei que hoje é sexta feira e que esse post deveria ser postado quarta, mas é que não deu... ( Sorry) ... ah e eu sei que as indicações aí de cima só estão falando de fofoca, mas vale a pena conferir, é um complemento ao post.


Bjok'ss

Comentários

  1. oi ..amei seu blog ♥
    Você ker se tornar amiga do meu?
    parcera?
    http://santosdahora.blogpot.com
    brigada de coração

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá!!
Sinta-se livre para expressar sua opinião sobre o que leu aqui, queremos mesmo saber o que você pensa!
Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
Deus te abençoe! ♥
DAC

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…