Pular para o conteúdo principal

TPM sim, e daí?

Identificar os sintomas é o primeiro passo para driblar os inconvenientes desse período. Um dia, você está feliz da vida e, de repente, uma besteirinha a leva a um colapso de nervos. Em seguida, uma fúria intensa... que só passa quando alguém conta um caso bobinho, e sem mais nem menos, você se desmancha em lágrimas, dignas do Oscar. O cabelo está terrível, parecendo palha, indomável... a pele, então, fica como de uma adolescente de novo, com várias espinhas, ou dá aquela manchadinha básica, sem contar que a calça que você vestia ontem parece que encolheu e custa para ser abotoada. Essa é a realidade mensal de boa parte das mulheres que sofrem de tensão pré-mestrual, mais conhecida como TPM, que provoca variadas modificações no organismo feminino e pode causar muitos transtornos se não tomarmos os devidos cuidados.
Muita gente acha que isso é manha de mulher, que é fingimento, porém, a literatura científica já comprovou que é fato: antes da menstruação, há alterações físicas, psíquicas e sociais que comprometem os relacionamentos e afetam a produtividade da mulher em sua família, escola e trabalho.
Muitas mulheres se martirizam e se culpam por sentirem os sintomas da TPM e não se permitem ser humanas, ou então, ignoram os sintomas como se eles não existissem – e muitas vezes, não compreendem por que tomaram esta ou aquela decisão com tanta raiva, ou por que gritaram com aquela pessoa, ou ainda, por que estão chorando em pleno horário de trabalho. Admitamos, somos mulheres, temos a nossa biologia, e não adianta fingir que nada está acontecendo. É preciso monitorar o nosso ciclo menstrual para estarmos atentas a esses sintomas e minimizá-los. Afinal, "como é bom, como é agradável para irmãos unidos viverem juntos" (Sal 132, 1). E uma alteração biológica natural não deve ter o poder de desarmonizar a nossa convivência com os outros.
A tensão pré-menstrual aparece uma semana antes da menstruação, mas o ápice dela acontece um ou dois dias antes do primeiro dia do ciclo. Os sintomas nem sempre são os mesmos e a intensidade deles também varia, por isso toda mulher deve conhecer seu ciclo e marcar os prováveis dias de TPM no calendário. Assim, você tenta driblar as situações de estresse nesses dias, bem como se programa para tomar decisões fora desse período. E não é vergonha nenhuma você avisar às pessoas que não está no seu melhor dia. Afinal, ninguém é obrigado a adivinhar que não poderá brincar com você nesse período, porque estará uma pilha de nervos; e no seu trabalho, por exemplo, ficar chorando pelos cantos pode danificar a sua imagem; além do mais, uma decisão impensada pode render muita confusão depois. Lembre: não é possível que o mundo pare até que a sua TPM passe.
E os nossos companheiros na criação de Deus, os homens, precisam ser alertados sobre isso também. A rapaziada precisa ter paciência redobrada com suas esposas, noivas, namoradas, mães, filhas, irmãs e amigas nesse período. Deus nos fez como uma "ajuda adequada" a eles, então será bem bacana se compreenderem que, em alguns momentos, precisam se adequar às nossas limitações para uma boa convivência (cf. Gn 2, 7-18ss).
Ah, e cabe lembrar também que a TPM não é totalmente ruim, pois em algumas mulheres esse período traz novidades bacanas, como ideias mais criativas, melhor desempenho no trabalho, mais sensação de bem-estar. Enfim, independentemente dos sintomas, é importante que você conheça seu corpo para não ficar refém de suas alterações, de forma a viver em sociedade de forma sadia e feliz.

* Fonte

P.s.: Olá gente! Acho que vocês perceberam que mudei a aparência do blog (éh lógico! néah... rsrs), espero que tenham gostado!
Bjok'ss
Mari

Comentários

  1. rs Tpm
    Ninguém merece =/
    Lindo seu blog

    Estou seguindo

    bjo

    ResponderExcluir
  2. éh.. fala sério néh Nathy ¬¬' rsrs
    Obrigada por seguir!
    Deus abençoe!♥

    ResponderExcluir
  3. Eu sofro com isso, a gente fica se sentindo a "coitada" "ninguém me ama, ninguém me quer" ô Senhor ajuda!! rss

    ResponderExcluir
  4. Osh... somo duas! rsrs
    Só o Senhor mesmo pra passar na frente!
    Bjok'ss linda!
    Deus abençoe! ♥

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá!!
Sinta-se livre para expressar sua opinião sobre o que leu aqui, queremos mesmo saber o que você pensa!
Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
Deus te abençoe! ♥
DAC

Postagens mais visitadas deste blog

A menina da casa de Naamã

Olá meus queridos e minhas queridas!
A paz do Senhor!


A história de Naamã eu já conhecia, mas depois de ler mais uma vez notei algo que ainda não havia percebido.

Cartas para o coração: Quando se sentir sozinha...

Estou há um mês e meio morando fora de casa. Tenho 20 anos e isso nunca aconteceu antes, era difícil conseguir permissão para dormir na casa "dazamigas", então morar em outro estado foi um divisor de águas na minha casa, minha família e minha vida! Sou do interior de São Paulo e precisei me mudar para a capital do Rio de Janeiro para estudar no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (atual Faculdade Batista do Rio de Janeiro). Até chegar onde estou muitas coisas aconteceram e, se Deus quiser, um dia contarei com mais detalhes para vocês! Ainda estou num tempo de adaptação e com certeza sou um bebê no quesito "experiência", é cedo pra falar do que estou começando a aprender! Hoje, porém, gostaria de falar o que eu gostaria de ouvir antes de vir pra cá e mesmo antes de qualquer situação em que eu me sentiria sozinha mesmo no meio de tantas pessoas, sem propósitos mesmo com tantas responsabilidades. 

A Cabana - A Perda da Arte do Discernimento Cristão

"O mundo editorial vê poucos livros atingirem o status de "sucesso". No entanto, o livro A Cabana, escrito por William Paul Yong, superou esse status. O livro, publicado originalmente pelo próprio autor e dois amigos, já vendeu mais de dez milhões de cópias e já foi traduzido para mais de trinta idiomas. É, agora, um dos livros mais vendidos de todos os tempos, e seus leitores estão entusiasmados.

De acordo com Young, o livro foi escrito originalmente para seus próprios filhos. Em essência, ele pode ser descrito como uma teodicéia em forma de narrativa – uma tentativa de responder à questão do mal e do caráter de Deus por meio de uma história. Nessa história, o personagem principal está entristecido por causa do rapto e do assassinato brutal de sua filha de sete anos, quando recebe aquilo que se torna uma intimação de Deus para encontrá-lo na mesma cabana em que a menina foi morta.
Na cabana, "Mack" se encontra com a Trindade divina, onde Deus, o…